Posts Marcados power

(2006) Dragonforce – Inhuman Rampage

Terceiro álbum dos ingleses “globalizados” (porque cada um é de um lugar do mundo), é o álbum em que coroou o Dragonforce como uma das principais do gênero e que firmou definitivamente a banda no cenário metálico mundial. Comparando com seus antecessores, Sonic Firestorm e Valley of the Damned, Inhuman Rampage apresenta um Dragonforce maduro, mais pesado, com letras mais agressivas e pra quem não achava que ainda existia cartas nas mangas da dupla Sam Totman e Herman Li, estavam enganados, não tinha apenas uma carta e sim o baralho todo. Leia o resto deste post »

, , , , , , , , ,

Deixe um comentário

(2011) Almah – Motion

Estava eu na santa Galeria do Rock e eis que eu tomei um susto quando vi que já estava sendo vendido a milhão a primeira prensagem e tive que ser guiado pelos meus instintos capitalistas e comprei esse álbum.

Sem mais delongas, Motion é o terceiro álbum dos caras do Almah e segundo álbum da banda depois de ser passada de apenas um projeto solo do vocalista do Angra, Edu Falaschi, para uma banda formada com músicos de altíssimo nível, incluindo um velho conhecido dos fãs do Angra, o baixista Felipe Andreoli.

Em resumo, Motion, está fugindo do metal melódico tradicional cheio de dragões, espadas e toda a parafernalha do cenário e impõe um estilo mais pesado, moderno e bem agressivo, algo bem diferente do que ouvímos nos álbuns anteriores da banda. Se a idéia do Almah é inovar e surpreender, parabéns meus caros, vocês conseguiram outra vez e com louvor. Leia o resto deste post »

, , , , , , ,

Deixe um comentário

(2004) Vision Divine – Stream of Consciousness

Fundada pelo guitarrista Olaf Thorsen originalmente para ser apenas um projeto paralelo à sua banda na época (o Labyrinth), contava com músicos de peso como o vocalista Fabio Lione (Rhapsody of Fire), que gravou os dois álbuns anteriores a esse e por alguns problemas teve que abandonar a banda (graças a Deus) e o escolhido foi o até então pouco conhecido, Michele Luppi. Esse álbum, particularmente falando, possui a formação que até hoje vejo como perfeita, ao longo de toda a história do Vision Divine:

Olaf Thorsen (guitarra)
Michele Luppi (vocal)
Oleg Smirnoff (teclado)
Andrea “Tower” Torricini (baixo)
Matteo Amoroso (bateria)

*E ainda podemos colocar nessa formação o guitarrista Frederico Puleri, que se juntou a banda durante a tour desse álbum (ao qual podemos vê-lo no DVD gravado durante esse álbum, o Stage of Consciousness). Leia o resto deste post »

, , , , , , , ,

Deixe um comentário

(2007) Nightwish – Dark Passion Play

Por DarkMephisto

 

Após a saída de Tarja Turunen em 2005, o Nightwish lança em 2007 um novo álbum que conta com uma nova integrante assumindo os vocais. Após mais de 2 mil fitas enviadas, a escolhida foi a sueca Anette Olzon que pertencia a banda Alyson Avenue.  Este álbum foi um recomeço para a banda, que inovou e convenceu o seu público, que adotou algumas músicas como hinos da banda e particularmente falando, já pode ser colocado com o um dos clássicos do Nightwish.

Melhor Música: Amaranth

Pior Música: Whoever Brings The Night

Leia o resto deste post »

, , , , , , , , , , , ,

4 Comentários

(19/11/2010) André Matos – SESC Santo André

André Matos

Por guibby

Frequentemente o Sesc Santo André traz apresentações de renome no Heavy Metal para exibições acessíveis (que geralmente não passam de R$ 20,00 a inteira) e agradáveis, ou seja, sem aqueles empurrões de atrasadinhos para chegar mais perto do palco ou aqueles bêbados chatos que te incomodam o show inteiro (não, não sou aquele cara fresco, que não pode esbarrar que já dá chilique…o que vem acontecendo muito nos últimos tempos, mas isso é assunto para um outro texto, onde a autora Bella Brendler irá falar mais sobre o assunto) e na sexta feira, dia 19 de novembro foi a vez de André Matos e sua banda solo tocarem no espaço de eventos do clube.
Leia o resto deste post »

, , , , , ,

3 Comentários

%d blogueiros gostam disto: