Posts Marcados gus g

(02/04/2011) Ozzy Osbourne – Arena Anhembi, São Paulo, Brasil

Por Hellion

Definição de espetáculo? Sim. Espetáculo das bandas, do público, e da chuva, que também foi ver Ozzy Osbourne em São Paulo.

A chuva foi realmente um elemento de grande importância nessa noite. Durante a entrada do público na arena, que ocorreu sem maiores problemas, as nuvens já davam sinal de que ela ia aparecer, e não tardou pra que caísse um balde d’água na cabeça de cada um dos presentes, ainda antes do show de abertura. E por uma boa coincidência, a última gota de chuva caiu enquanto o Sepultura entrava no palco.

A banda é impecável, tocando um set de 13 músicas durante exatamente uma hora, começando às 20:00 e terminando às 21:00 em ponto.
Derrick Green com seu português quase hilário brincou bastante com o público, anunciando as faixas, todas executadas com perfeição. Andreas Kisser também conversou com o público, anunciando a faixa que foi tocada do novo álbum Kairos, que ainda será lançado: Seethe.
Tecnicamente impecável, apesar de eu não ser muito fã da banda.

SetList Sepultura (abertura):

Arise
Refuse/Resist
Dead Embryonic Cells
Convicted In Life
Choke
Seethe
Troops of Doom
Septic Schizo
Escape To The Void
Meaningless Movements
Territory
Inner Self
Roots Bloody Roots

Banda:

Derrick Green (Vocal)
Andreas Kisser (Guitarra, backing vocals)
Paulo Jr. (Baixo)
Jean Dolabella (Bateria)

Terminado o set do Sepultura, começa a retirada dos equipamentos da banda, até que finalmente as 21:30, ecoa pelo Anhembi a introdução “Carmina Burana” de Carl Orff, velha conhecida dos fãs do Madman, e então o velho entra correndo pelo palco levando todos à loucura com sua presença. Após os tradicionais “Go fuckin’ crazy” que só serviram pra deixar a arena inteira ainda mais em êxtase, Ozzy Osbourne instaura a loucura total com sua clássica frase “Let The Madness Begin!” seguida pelos primeiros acordes de “Bark At The Moon”. Assim mesmo, sem vídeo de introdução, sem nada, o cara “chegou chegando”.

Leia o resto deste post »

, , , , , , , , , , , , , , , ,

1 comentário

Entrevista Exclusiva – Firewind

Por DarkMephisto e grande ajuda de Hellion e Bella

Formada na Grécia pelo guitarrista Gus G. que é mundialmente famoso e atualmente, substituto de Zakk Wylde na banda de Ozzy Osbourne e também pela sua passagem pela banda Dream Evil. Recentemente, a banda lançou seu último álbum intitulado “Days of Defiance”. O tecladista e guitarrista Bob Katsionis que concedeu essa entrevista e contou desde sua entrada na banda até sobre possíveis shows no Brasil. É uma honra compartilhar essa primeira entrevista internacional do Roque Veloz com todos vocês!

LINE UP:

Apollo Papathanasio (vocais), Gus G. (guitarra), Petros Christo (baixo), Bob Katsionis (teclado/guitarra) e Mark Cross (bateria)

CONTATO:

http://www.firewind.gr/ – Site Oficial
http://www.myspace.com/firewind – MySpace
http://twitter.com/firewindmusic – Twitter

 

Leia o resto deste post »

, , , , , , ,

5 Comentários

(2010) Ozzy Osbourne – Scream

Seja pela ótima campanha de marketing, seja pelo peso do nome ou simplesmente pela boa música, o fato é que Scream, ao lado de outros lançamentos como o ótimo Aqua, do Angra, superam e muito o badalado The Final Frontier do Iron Maiden. A diferença aqui é a saída do guitarrista de longa data Zakk Wylde, e a entrada de Gus G., guitarrista grego, ex-Firewind. Scream consegue combinar elementos clássicos da carreira do Madman, sem deixar de soar atual. Let The Madness Begin!

Melhor música: Diggin’ Me Down

Pior música: Let It Die

1 – Let It Die (Ozzy Osbourne/Kevin Churko/Adam Wakeman) (6:07) 3/5

Quando entra a linha de baixo, e o riff rápido de guitarra na intro, você logo imagina uma faixa matadora e arrancadora de cabeças. Mas enquanto a música toca temos aquela velha fórmula usada em Down To Earth/Black Rain: vocais meio “eletrônicos”, atmosfera quase New Metal e uma música bastante morna pra abertura de um álbum. Ainda bem que isso muda ao decorrer do álbum. O novato Gus G. aparece pouco, apesar dos solos bem legais. Uma leve acelerada no final, e voltamos ao refrão, que encerra a faixa.

Leia o resto deste post »

, , , , ,

3 Comentários

%d blogueiros gostam disto: