Posts Marcados Andreas Kisser

(02/04/2011) Ozzy Osbourne – Arena Anhembi, São Paulo, Brasil

Por Hellion

Definição de espetáculo? Sim. Espetáculo das bandas, do público, e da chuva, que também foi ver Ozzy Osbourne em São Paulo.

A chuva foi realmente um elemento de grande importância nessa noite. Durante a entrada do público na arena, que ocorreu sem maiores problemas, as nuvens já davam sinal de que ela ia aparecer, e não tardou pra que caísse um balde d’água na cabeça de cada um dos presentes, ainda antes do show de abertura. E por uma boa coincidência, a última gota de chuva caiu enquanto o Sepultura entrava no palco.

A banda é impecável, tocando um set de 13 músicas durante exatamente uma hora, começando às 20:00 e terminando às 21:00 em ponto.
Derrick Green com seu português quase hilário brincou bastante com o público, anunciando as faixas, todas executadas com perfeição. Andreas Kisser também conversou com o público, anunciando a faixa que foi tocada do novo álbum Kairos, que ainda será lançado: Seethe.
Tecnicamente impecável, apesar de eu não ser muito fã da banda.

SetList Sepultura (abertura):

Arise
Refuse/Resist
Dead Embryonic Cells
Convicted In Life
Choke
Seethe
Troops of Doom
Septic Schizo
Escape To The Void
Meaningless Movements
Territory
Inner Self
Roots Bloody Roots

Banda:

Derrick Green (Vocal)
Andreas Kisser (Guitarra, backing vocals)
Paulo Jr. (Baixo)
Jean Dolabella (Bateria)

Terminado o set do Sepultura, começa a retirada dos equipamentos da banda, até que finalmente as 21:30, ecoa pelo Anhembi a introdução “Carmina Burana” de Carl Orff, velha conhecida dos fãs do Madman, e então o velho entra correndo pelo palco levando todos à loucura com sua presença. Após os tradicionais “Go fuckin’ crazy” que só serviram pra deixar a arena inteira ainda mais em êxtase, Ozzy Osbourne instaura a loucura total com sua clássica frase “Let The Madness Begin!” seguida pelos primeiros acordes de “Bark At The Moon”. Assim mesmo, sem vídeo de introdução, sem nada, o cara “chegou chegando”.

Leia o resto deste post »

, , , , , , , , , , , , , , , ,

1 comentário

(2004) Paralamas do Sucesso – Uns Dias Ao Vivo [ CD Simples ]

Por Joaora

E eis aqui a primeira resenha de um álbum ao vivo, do nosso humilde blog. Venho estreiar tal feito resenhando uma das bandas mais importante do cenário brasileiro, os incansáveis Paralamas do Sucesso, líderados pelo mestre Hebert Vianna.

Uns Dias Ao Vivo foi gravado em 2003 no Olympia, em SP e obteve ótimas vendagens, é um disco em que se pode notar musicas de diversas fases da banda, contando com inúmeros convidados e uma homenagem à Legião Urbana, o disco para os fãs brasilieros da banda agrada e muito. Se você é daqueles que gosta de um bom álbum ao vivo, que toca aqueles clássicos gravados no estúdio de forma única e magistral, bote o Ao Vivo do Paralamas para tocar e curta a boa música!

Melhor Música: Uns Dias


Pior Música: La Bella Luna ( A apresentação ao vivo, não condiz com o álbum Uns Dias, peguei uma versão ao vivo aleatória)


1 – O Calibre (4:38) (Herbet Vianna) 4/5

Uns pequenos segundos de agradecimento de Hebert Vianna, e logo depois O Calibre começa a tocar, a canção aqui em certos momentos faz o ouvinte esquecer que se está ouvindo um disco ao vivo. Um riff pesado e direto do baixo de Bi-Ribeiro é muito notado na primeira música. O instrumento do músico ainda viria a ser destaque em muitas outras faixas… O baixo nada está baixo durante todo o álbum ( trocadilho infame)…A letra dessa canção é muito inspirada, me agrada bastante!

Vivo Sem Saber Até Quando ainda Estou Vivo

Sem Saber o Calibre do Perigo

Eu não sei… Da onde vem o Tiro…

Leia o resto deste post »

, , , , , , , , , , , , ,

1 comentário

%d blogueiros gostam disto: