(1989) Ace Frehley – Trouble Walkin’


Por Hellion

O ano de 1989 foi foda. Muita coisa boa foi feita nesse período, e o que temos aqui hoje é um ótimo exemplo disso, mesmo não sendo um dos mais conhecidos. A carreira solo de Ace Frehley era a mais bem sucedida entre todos os ex-membros do Kiss, porém o segundo álbum do Frehley’s Comet, Second Sighting (1988) não vendeu nada, e a banda precisou ser reformulada. Por questões de marketing, o Frehley’s Comet passou a levar apenas o nome do guitarrista Ace Frehley, e a principal mudança foi a saída de Tod Howarth, que dividia os vocais com Ace desde o primeiro álbum, substituído por Richie Scarlet, amigo de longa data de Frehley, e membro original da banda solo ainda antes do lançamento do primeiro álbum. Trouble Walkin’ foi feito para ser uma volta ao hard rock clássico feito no primeiro solo com o Kiss, distanciando-se do som comercial feito principalmente no álbum anterior. Na cozinha, o fiel escudeiro Anton Fig na bateria e John Regan no baixo completavam o time, que teve ainda a participação do ex-companheiro de Kiss, Peter Criss, e de Rachel Bolan, Dave “The Snake” Sabo e Sebastian Bach, todos do Skid Row nos backin’ vocals. O álbum cumpre o que promete, trazendo a pegada clássica de Ace, com influência de blues e um dos melhores momentos do guitarrista nos solos. Altamente recomendado!

Melhor(es) música(s): Trouble Walkin’ / 2 Young 2 Die

Pior música: Do Ya

1 – Shot Full Of Rock (Frehley/Scarlet) (4:47) 5/5

O Spaceman já chega na voadora com a primeira faixa, uma canção bem forte, na linha da sua clássica “Rock Soldiers”, com um bom riff, bem no estilo do primeiro álbum solo ainda na época do Kiss. O refrão é ótimo também, e os vocais de Ace dão sinal de amadurecimento, em relação a coisas como “Shock Me”, onde o cara simplesmente não sabia cantar. No final, um ótimo dueto de guitarras mostra que o velho Spaceman estava mesmo de volta, mais rock and roll do que nunca.

2 – Do Ya (Jeff Lynne) (3:49) 3/5

Diferente do hard rock cru, direto e forte que sempre foi feito por Ace Frehley, temos aqui uma pegada mais comercial, na linha do que se fazia na época. “Do Ya” é um cover do Electric Light Orchestra (E.L.O.), que apesar de ter sido provavelmente o maior sucesso do álbum, não se encaixa na proposta da banda. A faixa, apesar de reforçada pelo peso das guitarras de Scarlett e Frehley, tem todo um clima mais feliz, e que acabou não ficando bem na voz pastosa e inconfundível do nosso herói. De qualquer forma, é um prato cheio pra quem curte o hard rock mais acessivo de bandas como Bon Jovi, e o próprio Skid Row, que participa do álbum.

3 – Five Card Stud (Frehley/Ferrari) (4:01) 5/5

Porradanazoreia! \,,/

Começa rápida, com força total, quase um Motörhead na velocidade e peso. Com a entrada do vocal, a coisa esfria um pouco, e o riff principal parece ter saído de um dos primeiros álbuns do Kiss. Ótimo desempenho de Ace nos vocais com o apoio do pessoal do Skid Row, o refrão também é ótimo! Ace Frehley apesar de suas limitações (e preguiça) de sempre, mostra que é um puta guitarrista solo, com um feeling bem particular e uma identidade absurda. No final da faixa, volta a levada rápida do início, desta vez com grande destaque pra bateria de Anton Fig, companheiro de longa data do Spaceman.

4 – Hide Your Heart (Child/Stanley/Knight) (4:33) 4/5

Chegamos na parte polêmica. Se você conhece a música do Kiss, já viu os créditos e matou a charada: é a própria. “Mas tio Hellion, tanto o álbum do Kiss que tem essa música (Hot In The Shade) quanto o do Ace foram lançados no mesmo ano?” Sim, exatamente. O álbum do Kiss tinha acabado de sair com essa música, e pouco tempo depois (questão de dias) Frehley apareceu com o Trouble Walkin’. Provocação? Pelo menos pra mim é o que parece…

Mas falando da música em si, a versão de Ace é menos “pasteurizada” do que a do Kiss. Com uma pegada um pouco mais agressiva e até mais pesada do que a original, característica da banda mesmo. O problema é que cantar músicas que foram interpretadas por uma das maiores vozes do rock é quase uma missão impossível, principalmente se levarmos em conta que por volta de 1989, God Paul Stanley estava no auge de sua potência e qualidade vocal. Some isso ao fato de que cantar nunca foi o ponto forte do Spaceman, e é inevitável até soltar umas risadas comparando as versões. Enfim, no geral, a faixa é boa. Só não é melhor porque a original é realmente muito superior.

5 – Lost In Limbo (Scarlet/Frehley) (4:10) 3/5

Uma faixa com uma pegada bem blues, no melhor estilo Ace Frehley. Sem muitos destaques, com exceção dos backin’ vocals, muito bem executados por Richie Scarlet, Peter Criss e os caras do Skid Row. Bom refrão, mas definitivamente não é uma das melhores por aqui.

6 – Trouble Walkin’ (Wray/Brown) (3:08) 5/5

A faixa-título faz jus à fama do álbum, de chutador de bundas. Com aquele riff que é simplesmente A CARA do Ace, e um dos melhores refrãos do álbum. As guitarras estão fantásticas, criando aquele clima com um peso na medida certa que só o nosso Spaceman sabe fazer. Solo fantástico, como de costume, e eu continuo insistindo no refrão, daqueles bem grudentos e backin’ vocals bem presentes. Hardão de primeira do velho Ace, com peso, atitude, e sem frescura.

7 – 2 Young 2 Die (Frehley/Scarlet) (4:29) 5/5

Mais uma porradanazoreia!

O até então tímido baixo de John Regan marca presença aqui, completando uma cozinha rápida e ameaçadora com Anton Fig. Os vocais ficam por conta de Richie Scarlet, que pra quem não conhece, tem uma voz rouca MUITO FODA, lembrando em alguns momentos até o eterno Catman do Kiss, Peter Criss. Fico em dúvida sobre qual refrão é melhor, este ou o da faixa anterior. Aqui temos uma faixa agressiva, mais uma vez com grande presença dos backin’ vocals, incluindo Ace Frehley, e um refrão no mínimo fantástico. O solo de guitarra, também cortesia de Scarlet, completa a pancadaria que se segue durante os quase 4 minutos e meio. Masterpiece dessa puta banda que o Spaceman formou e que infelizmente não foi pra frente.

8 – Back To School (Frehley/Regan) (3:43) 4/5

Mais um hardão com pegada bem blues. Parece que finalmente John Regan chegou pra gravar o baixo depois da faixa anterior, e chegou com uma linha bem construída, e uma pegada bem legal. Ace veio do Kiss, portanto tem como especialidade fazer refrãos ótimos, e temos mais um aqui. Durante o refrão, é possível ouvir alguns gritos do ótimo Richie Scarlet ao fundo, dando um clima bem animal à faixa. Bem no nível do álbum.

9 – Remember Me (Cathcart/Frehley) (5:01) 5/5

E o SpaceAce nos brinda com um belo blues, extremamente canastrão, com uma letra bem sarcástica e inteligente. A faixa segue a sua levada contagiante, até o momento dos solos, que são, com toda certeza, os melhores do álbum. Um blues bem tocado, origem musical de Ace, boa pra calar a boca de quem diz que o Spaceman é um guitarrista “simples”. Uma das melhores do álbum.

10 – Fractured III (Frehley/Regan) (6:48) 5/5

Pra terminar o álbum, como de costume, temos um belo instrumental da sequência “Fractured…” que começou no primeiro álbum solo de Ace, ainda com o Kiss em 1978 (“Fractured Mirror”), passando pelo primeiro do Frehley’s Comet (1987, “Fractured Too”), e que teria sequência agora em Trouble Walkin’ e posteriormente em Anomaly (2009, “Fractured  Quantum”). Ace Frehley se mostra um guitarrista competente, com um ótimo feeling e até mesmo habilidoso, representante da escola setentista. O álbum termina de certa forma melancólico, mas com sensação de dever cumprido, tanto por parte de Ace quanto da ótima banda que o SpaceAce tinha como apoio. Digo com coragem que este é um dos melhores discos de hard rock já feitos. Long Live Space-Ace!

Média do álbum: 9,5/10

O cara é foda! \,,/

, , , , , , , , ,

  1. #1 por Amigo João pão com bosta em 04/11/2010 - 16:11

    Vcs realmente acham que alguém(além de vcs, é claro) lê essa porra toda!?

    • #2 por Bella em 04/11/2010 - 18:44

      Enquanto houver ao menos um idiota que se dê o trabalho de comentar, o blog continuará tendo propósito.

      P.s. Obrigada pela visita!

  2. #3 por darkmephisto em 05/11/2010 - 11:55

    Você visitou, logo não estamos sozinhos

  3. #4 por joaora em 05/11/2010 - 19:27

    Eu acho que tudo é relativo… que nem amendoim…tem gente q gosta, e tem gente que não gosta!…Aliás a respeito da resenha, não sabia que o Ace tinha álbum solo…Deu vontade de ouvir pelos elogios!

    • #5 por Hellion em 05/11/2010 - 22:50

      Recomendo Johnny! Como eu disse na resenha, a melhor carreira solo de todos os ex-membros do Kiss é a do Ace, acho que vc ia gostar do som dele.

  1. (1978) Kiss Solo Albuns – Parte I: Ace Frehley « Roque Veloz /,,/

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: