(2007) Crazy Lixx – Loud Minority


 

Capa

 

O movimento Sleaze ganhou muita força na Suécia no começo da década, bandas como Crashdiet e Hardcore Superstar lotavam seus shows em seu país natal, atingindo uma quantidade exorbitante de fãs. O Crazy Lixx também faz parte desse movimento, Loud Minority fez com que a banda fosse respeitada e conhecida não só na Suécia, mas mundialmente. Shows como o Sweden Rock Festival de 2007 só foram possíves à banda graças a boa recepção da critica e dos fãs com relação ao álbum. Come On Little Boys a mais uma resenha!

Melhor Música: Make Ends Meet


Pior Música: Love on the Run


1 – Hell or High Water (Zino, Rivano) 3:32 4/5

Uma introdução energética da bateria de Cirera e do baixo de Rivano dão as boas vindas do Crazy Lixx ao mundo. A voz Rexon entra alguns segundos depois, sem algo de muito surpreendente, rasgada, não muito técnica, repara-se logo na primeira faixa que o vocalista não é o melhor do mundo, mesmo no final da canção um belo berro, mostra a potência de sua voz, muito grave. A primeira canção não é inesquecível, mas é boa. O restante do álbum não difere muito do estilo da primeira faixa, não espere algo muito diferente do que você ouviu aqui! Técnica apurada, agudos de arrepiar, solos sensacionais, riffs lentos, bateria calma, melodia trabalhada: será rara as excessões que você encontrará isso em Loud Minority.

2 – Dr. Hollywood (Rexon) 4:01 5/5

Uma letra bem construída que critica o mundo super valorizado e luxuoso de Hollywood, pode ser ouvida no 2ª tape. Dr. Hollywood é um dos destaques positivos do álbum. Uma das melhores músicas da curta carreira da banda. A introdução lenta do violão logo dá espaço a algo mais pesado quando a guitarra entra. A batida da música é interessante, Cirera utiliza em demasiado os pratos na canção, principalmente no ínicio. Os backing vocals também merecem destaques, eles cantam além do refrão em alguns versos “comuns” da música, algo que ficou interessante. O vocalista Rexon se mostra um ótimo compositor, ele é o ” cara ” da banda, encarregado de escrever quase todas as músicas do álbum, você perceberá isso mais adiante, as principais músicas do álbum levam o nome do vocalista na composição!

3 – Want It (Rexon) 4:03 5/5

A introdução de Want it é quase perfeita, a melhor do álbum certamente. Os intrumentos aqui vão entrando gradativamente. Primeiro, alguns segundos solos da bateria, depois entra o baixo com uma bela linha, e logo após a guitarra com um riff direto e simples. Rexon fecha a trama cantando o nome da música, uma introdução digna de atenção. Aliás aqui o vocalista junto com os backing vocals demonstram uma harmonia surpreendente. A música continua boa, o refrão ganha um pouco mais de velocidade sempre com os backing vocals presentes. Em uma determinada parte apenas Rexon e os backing se tornam audíveis, os intrumentos param, ótimo momento. Peço a todos que reparem na tímida guitarra de Dawson logo após a última repetição do refrão, muito foda, enquanto a trupe inteira canta, o guitarrista ta fazendo seus “UUUUÉÉÉÉÉUUUU…..UUUUÉÉÉÉÚUUU” ( além da base)! Uma das melhores do álbum sem a menor duvida!

4 – Love on the Run (Rexon, Zino) 3:39 3/5

A qualidade cai um pouco aqui, é natural, após duas musicassas. Love on the Run não é péssima, mas não chega ao pé das 3 anteriores. A fórmula aqui não tem nenhum ingrediente especial que se deva destacar. Talvez por isso algo simples, mas que por não ter algo mais ” especial “, se torna especial ( entendeu?…..) vai ser destacado, que é o solo de Dawson. Típica música para encher álbum! Talvez a banda estaria se preparando para o que viria a seguir…

5 – Make Ends Meet (Rexon) 3:23 5/5

Com uma letra muito madura que retrata o ambiente de uma pessoa que cuida da familia e não tem tempo para viver, mas apenas se dedica a ela, o álbum chega ao ápice! A barulheira da canção anterior some nos segundos iniciais, que com apenas o violão e a voz de Rexon lembra uma canção acústica. Rexon….mais uma vez um ótimo trabalho do cara, em termos de composição, seus vocais aqui  estão bons também, a música não exige muito de sua voz ,o vocalista a canta e interpreta bem. Fórmulas de canções anteriores foram utilizadas, como quando a trupe canta junto com Rexon apenas com a bateria de fundo. O refrão da canção é daqueles que eu fecho o olho pra cantar, empolgante e reflexivo! A melhor sem dúvida!

6 – Death Row ( Rexon, Zino) 3:59 4/5

Dawson da a introdução da 6ªfaixa com um mini-solo de sua guitarra. Death Row é uma das canções mais aceleradas do álbum, o riff de baixo veloz de Rivano da este ritmo à canção. Alguns versos cantados somente com a bateria de fundo podem novamente ser ouvidos aqui, isso pode soar ao ouvinte falta de criatividade da banda, entretanto, outra vez funcionou bem a fórmula! Boa música que é inevitável não destacar a guitarra de Dawson, tanto quanto nos inúmeros solos que ele faz durante a música quanto em seu riff simples, veloz e energético!

7 – Heroes Are Forever (Rexon) 4:31 5/5

A intensidade dos solos e a velocidade dos riffs tanto da guitarra e do baixo diminuem em uma das melhores canções do álbum. Poucas vezes eu vi em uma música backing vocals tão memoráveis cantando fora do refrão, é dificil se fazer uma música com os backings detonando em versos “comuns”, toda via em Heroes Are Forever eles detonam tanto no refrão quanto nos versos normais. Dawson faz outro brilhante trabalho aqui, seu solo sendo para mim um dos melhores do álbum. Rivano está também em sua melhor apresentação, uma linha audível e em alguns momentos complexa de seu baixo mostram que ele é um grande músico. Rexon em alguns momentos atingi notas muito altas, algo que certamente nos shows deve ser dificil do vocalista alcançar, vale ressaltar que essa é outra composição dele! Cirera segura bem a bateria, a batida é rápida e dita um ritmo bom à música. Resumindo a banda inteira está perfeira aqui!…Vale dizer também que a letra de Heroes Are Forever é muito insipirada! Recomendadissíma!

8 – Do or Die ( Rexon, Zino) 3:47 5/5

Riffs diretos e simples de guitarra tomam conta do 8ª tape. A letra da música é bastante enérgetica, mandando todo mundo balançar a cabeça. O refrão se baseia na letra e se torna contagiante e empolgante.  Pela 156484549º vez no álbum tem aquele momento que a banda canta so com a bateria de fundo, algo que começa a ficar  clichê de mais. Do or Die é outra grande música do álbum de estréia da banda que fez grande sucesso entre os fãs! O grande destaque aqui é Cirera o baterista mostra uma grande coordenação e técnica em certo momento, arregançando nos pratos e chimbais! O solo de Dawson novamente merece ser ouvido com atenção aqui.

9 – Pure Desire (Rexon) 3:50 3,5/5

Outra composição solo de Rexon, ou seja, música boa vem por ai… Infelizmente não se pode dizer isso do 9ª tape… A introdução é boa, a guitarra de Dawson contrastando com a bateria de Cireira os pratos sendo usados em excesso. Algo muito estranho e sem harmonia segue ao restante da música. A bateria e a guitarra de Dawson parecem que estão tocando outra música em alguns momentos. Os backing vocals, muito bem elogiados durante todo o álbum aqui estão colocados em versos que ficariam melhores sem eles. A música alterna entre momentos rápidos e lentos, essa alternância é boa, mostra a qualidade instrumental da banda… Até tem alguns pontos bons…Mas no geral  é mais ruim do que boa!

10 – Boneyard ( Rexon) 3:41 3,5/5

Com um solo de baixo se inicia outra composição de Rexon. Aliás ótima introdução essa!…A bateria e o baixo, a velocidade aumentando gradativamente, um telefone ( do nada)  tocando ao fundo, ao ouvir isso senti algo parecido com ansiedade, sei lá…Ouça e ve se você senti a mesma coisa que eu, da vontade de sair correndo, um desespero… O restante da música não é nada inspirado, muitos efeitos adicionados estragaram-a. O refrão toda via é bom, digno da banda! Junto com a canção anterior forma o pior momento do álbum!

11 – The Gamble ( Rexon) 4:59 5/5

Hoje em dia, quando amigos se juntam em rodas ao redor de alguma fogueira comendo marshmallow, e vendo o sol se pôr, tocam coisas insignificantes e ruins, como Fresno e NxZero, em um simples violão… Merda de atualidade. Agora se você é um rockeiro de verdade deveria tocar The Gamble com o simples violão. Essa canção é uma canção acústica, muito bem cantada por Rexon, que realmente incorpora o ser apaixonado da música. Uma letra para quem está apaixonado, a melodia também faz doer o coração daqueles que procuram uma amada!… Sua segunda metade, com o aditivo das guitarras e do baixo deixa de ser acústica, ( Oo… Sério….xxD) toca a mesma coisa da primeira parte, agora com os instrumentos elétricos e a bateria… Uma das melhores baladas que eu já ouvi na vida!…Recomendadissíma!

Média do Álbum: 9/10

, , , ,

  1. #1 por Bella em 15/10/2010 - 13:49

    Merda de atualidade. kkk Apoiado Johnny! The Gamble é a música, e esse álbum é mtu bom. =D

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: