(1983)Def Leppard – Pyromania


É extremamente difícil descrever um dos melhores álbuns da história. Em 1983 o mundo conhecia o terceiro álbum dessa banda britânica, novamente produzido pelo aclamado Mutt Lange; Pyromania em certos momentos chegou a superar as vendas de um dos álbuns mais vendidos no mundo: Thriller de Michael Jackson. Foi um sucesso estrondoso no Reino Unido, emplacando 6 hits nas rádios britânicas e é 14x disco de platina nos EUA, números espantosos…

Sem mais enrolação vamos à resenha de um álbum que toda vez que este que vos escreve ouve pensa: ” Puta que Pariu esse é o melhor álbum que já existiu na história desse planeta”

Melhor Música ( Dificil) : Photograph


Pior Música: Me recuso a colocar alguma faixa aqui!

1 – Rock Rock (Til You Drop) (Steve Clark, Rick Savage, Mutt Lange, Joe Elliot) 3:52 5/5

A melhor forma possível de abrir um álbum. Com uma música contagiante, energética e grudenta, para botar de vez o ouvinte em um estado de ânimo elevado! Rock Rock (Til You Drop) já foi trilha sonora de diversos filmes,(entre os mais lembrados está o recomendadissimo Rockstar), e por isso pode ser muito conhecida entre os rockeiros de plantão, que mesmo não conhecendo Def Leppard talvez já conheçam a música. Detalhadamente falando, o refrão é o ápice – realmente empolgante e festivo -, mas a quebra de ambiente logo após o solo de Clark é outro grande momento. Ricky Allen quebra tudo em sua bateria aqui. Certamente a música mais festiva do álbum, e é um dos seus inúmeros destaques.

2 – Photograph (Clark, Pete Wills, Savage, Lange, Elliot) 4:12 5/5

Facilmente uma das melhores canções da década de 80. O clima festivo da canção anterior não aparece em Photograph. A introdução da canção, com um riff rasante de Clark e as batidas da bateria de Allen é extraordinária. O riff inicial da guitarra de Clark e Collen é algo emblemático, simples, porém emblemático. É muito dificil descrever essa canção… Pois em seus quase  4:30 todos os segundos são fodas e memoráveis. Os backing vocals (algo que a banda é expert) estão perfeitos e no refrão isso pode ser notado, a harmônica entre Elliot e eles está perfeita. Refrão este que certamente é considerado um hino por todos os fãs da banda, é mais lento que os versos cantados e a letra amorosa se torna apelativa e sentida quando cantada pelos ótimos backing vocals!

3 – Stagefright (Savage, Elliot, Lange, Phil Colen) 3:46 5/5

“I said  Welcome to My Show”

É com esse berro de Elliot e com o publico gritando eufórico atrás que se dá a introdução da 3ª faixa do álbum! O clima de música ao vivo nos segundos iniciais foi bem formulado e ficou interessante! As guitarras duplas aqui começam a ser utilizadas… Clark e Collen aumentam a velocidade de seus riffs em relação as faixas anteriores, fazendo a faixa de quase 4 minutos parecer passar mais rápida!… Os backing vocals novamente foram bem utilizados  marca registradissima da banda!

4 – Too Late For Love (Clark, Lange, Wills, Savage, Elliot) 4:30 5/5

É clássico atrás de clássico, assim pode ser definido Pyromania, Too Late For Love foi uma das canções que mais se destacaram comercialmente na época de lançamento do álbum e é pra mim uma canção épica de mais! Tudo está perfeito. O inicio é calmo, Elliot canta junto a uma guitarra de riff não tão veloz e os segundos passam… e passam…a canção já está bela com o dueto… quando o peso toma conta….PAAAAAAAAA….Allen entra com uma batida forte de sua bateria e Savage com seu baixo de linha simples bastante audível, aqui se torna claro o quanto o produtor Mutt foi importante para a banda, percebe-se que foi uma canção muito trabalhada! Só por esse minutos inicias a ouvida já tinha valido a pena! A canção continua, em alguns momentos fazendo o ouvinte inconscientemente balançar a cabeça para frente e para trás… O refrão impecável, os backing vocals desta vez cantando junto de Elliot… Vale ressaltar também o trabalho de ambos guitarristas aqui: Steve Clark e Phil CollenClark faz um solo digno de fazer todo mundo tocar guitarra no ar e Collen segura a base explendidamente, ambos em grande harmonia….Clássico!

5 – Die Hard the Hunter (Clark, Lange, Savage, Elliot) 6:17 5/5

Toda vez que escuto  Die Hard the Hunter eu imagino como essa pérola deve soar magnificamente bem nos shows… Como deve fazer estádios lotados cantarem junto com Elliot. O clima que envolve a 5ª faixa do disco é sensacional… Pois bem, a long track do álbum tem diversos momentos: O da introdução, onde helicopteros e o que me parece tiros estouram, fazendo com que a primeira ouvida o ouvinte pense que a banda viria a fazer uma música mais séria, a guitarra de Collen na introdução é lenta e a letra cantada por Elliot é mais trabalhada do que as anteriores, eis o primeiro momento….O segundo momento é quando a banda toda entra, o Hard mais evidente o clima energético voltando a tomar conta do tape, a seriedade deixada para trás, aqui o refrão é  inúmeras vezes repetido… O terceiro momento é pra mim o mais magnifico, aqui eu fecho meus olhos para ouvir o solo ESPETACULAR E TOTALMENTE EMBRIAGANTE  do mestre Steve Clark, algo que te deixa em êxtase, faz você viajar em sua própria cabeça…Após o solo de Clark os backing vocals repetem inúmeras vezes o refrão até o fim.

6 – Foolin (Clark, Lange, Eliot) 4:32 5/5

Outra canção que fez enorme sucesso comercialmente e virou hino entre os fãs. Os momentos iniciais enganam o ouvinte que esperam ouvir uma balada melosa e romântica, pois a introdução dada pelo violão tocada por Clark e a voz suave de Elliot propõem isso. Os segundos passam e Clark abandona o violão para pegar a guitarra e tocar um riff direto junto com Collen. Diversas vezes a música volta ao clima de balada da introdução, isso sempre dura poucos segundos. O refrão de Foolin é grudento e após o término da canção faz quem a ouviu ainda continuar a cantar. A letra não é totalmente inspirada e fica em segundo plano.

7 – Rock of Ages (Clark, Lange, Elliot) 4:09 5/5

É ímpossivel ouvir essa canção sem se lembrar do filme auto biografico da banda ( Para quem nunca assistiu recomendo, conta toda a trajetória da banda, a fama, as desgraças, muito emocionante, se chama Hysteria), era essa canção ( ao menos no filme) que Rick Allen ouvia quando sofreu o acidente de carro que o fez perder o braço. Rock of Ages tem uma bateria repleta de efeitos que no inicio toma conta do tape junto com o baixo de Savage e a voz acelerada de Elliot….Elliot, é aqui que o cantor  esta cantando mais perfeitamente, alguns agudos muito bem executados. O ápice da música é um dos momentos mais lindos de todo álbum: o refrão, aqui ele  é todo cantado pelos backing vocals . A música em seus 4 minutos passa rápida e fica na cabeça do ouvinte por um bom temp. É daquelas que quando se termina de ouvir todo o álbum fica na lembrança… Perfeita!

8 – Comin’ Under Fire (Lange, Clark, Willis, Elliot) 4:20 5/5

O violão volta a ser ouvido na 8ª faixa, mas apenas por alguns segundos. Lembro de um amigo meu falar que essa canção era a melhor música de toda a carreira do Def Leppard. Comin’ Under Fire realmente é muitoo foda, o baixo de Savage um tom mais acima, totalmente audível, o refrão cantado por Elliot e pelo restante da banda o auxiliando é o grande ápice da canção… Do meio pro fim  o violão tocado por Clark volta a soar, dando um clima meio acústico para a canção, mas novamente por poucos segundos. Em Comin’ Under Fire a energia da banda é totalmente expelida para o ouvinte!

9 – Action! Not Words (Lange, Clark, Elliot) 3:52 5/5

Aqui o ouvinte já deve ta pensando que nem eu: “Puta que Pariu que álbum é esse?” musicassa atrás de musicassa… Por isso que me neguei a colocar a pior música lá em cima, porque simplesmente não tem uma pior música, ímpossivel parar para pensar qual é a pior música de Pyromania. Action! Not Words segue a linha de quase todas as canções anteriores, as guitarras duplas tocando um riff simples, o baixo de Savage seguinda a bateria nem tão selvagem de Allen e o refrão cantando por Elliot ajudado por ótimos backing vocals… Apenas mais do mesmo! E como o mesmo aqui é bom, a música é muito boa também…HAHAHAHA.

10 – Billy’s Got a Gun (Clark, Savage, Willis, Lange, Elliot) 5:27 5/5

Savage cansa de ficar em “segundo plano” com seu baixo e na última canção entra com uma linha pesada e audível, ditando o ritmo da canção, certamente a canção em que o baixista mais se sobressai. As guitarras duplas novamente voltam à ativa, Collen e Clark desta vez com algo menos complexo, realmente o baixo de Savage toma conta do tape, e as guitarras de ambos só são notadas no refrão e em alguns versos separados… O refrão de Billy’s Got a Gun é cantado por ótimos backing vocals. Com esta canção Pyromania se encerrava como havia começado, de forma estupenda, com outro clássico!

Média do Álbum: 10/10

We got the power, got the glory
Just say you need it and if you need it
Say yeah!

4:12

, , , ,

  1. Deixe um comentário

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: