(1990) Megadeth – Rust In Peace


Eis aqui o álbum considerado o “masterpiece” do Megadeth. Rust In Peace contém alguns dos maiores clássicos da banda, e muitos sucessos comerciais. Em 2010, por ocasião do aniversário de 20 anos do lançamento de Rust In Peace, Mustaine chamou de volta o baixista Dave Ellefson, membro da formação clássica, e saíram em turnê tocando o álbum na íntegra, inclusive passando pelo Brasil em abril de 2010. Se Mustaine não atinge a excelência como vocalista, se mostra aqui um guitarrista fantástico, ao lado do na época recém chegado Marty Friedman. Clássico e um dos maiores álbuns do heavy/thrash metal, here we go…

Melhor música: Lucretia

Pior música: Dawn Patrol

1 – Holy Wars… The Punishment Due (Mustaine) (6:32) 5/5

Temos logo no início um dos maiores clássicos do Megadeth. O riff rápido e agressivo de Mustaine, com algumas quebras de tempo, e entra o vocal bastante… peculiar… Do nosso querido “Pato Donald” do metal. De repente uma breve passagem acústica, seguida de uma parte ainda pesada, e começa a segunda parte da música, a parte propriamente denominada “The Punishment Due”, bem mais cadenciada e com ótimos solos. No final, voltamos ao peso do início, e a música acaba ainda em alta. Sem dúvida uma das melhores letras do Megadeth, falando sobre a guerra em Israel. Clássicão foda.

2 – Hangar 18 (Mustaine) (5:11) 4/5

Apesar de ser considerada um clássico, essa faixa não mantém o nível da primeira. Tem uma pegada bem mais thrash do que a anterior, bons solos, mas um riff principal bem simples para os padrões do Megadeth. Mesmo assim, é uma ótima música em que Dave mantém um padrão bem legal nos vocais, sem exagerar muito. A letra fala sobre a famosa Área 51.

3 – Take No Prisoners (Mustaine) (3:27) 5/5

A terceira faixa vem retomando a brutalidade do Megadeth, com um riff bem rápido, e versos intercalados entre Mustaine e os backin’ vocals da banda. Solo matador e até um rápido solo de baixo. O refrão também é ótimo. Mesmo eu não sendo um dos maiores fãs dos vocais de Dave Mustaine, tenho que admitir que o nosso “Donald Duck” tem a voz perfeita para o Megadeth, o que pode ser muito bem observado nesta faixa.

4 – Five Magics (Mustaine) (5:39) 5/5

Após uma longa introdução que conta com uma linha de baixo bem destacada, começa a pancadaria. As guitarras de Mustaine e Friedman estão mais agressivas do que nunca, e temos mais uma boa atuação vocal do nosso herói (Preciso parar de sacanear o Mustaine, eu adoro o cara, sério!).  No final da faixa merece destaque também o ótimo Nick Menza, quebrando tudo la  atrás.

5 – Poison Was The Cure (Mustaine) (2:56) 5/5

O baixo de Dave Ellefson dá o tom para a introdução, até e entrar a bateria e a faixa explodir em um thrash extremamente agressivo, lembrando o que era feito nos primeiros trabalhos da banda. Termina rápida e seca logo após o solo, deixando aquela sensação de “anotaram a placa?”.

6 – Lucretia (Mustaine/Ellefson) (3:56) 5/5

“HAHAHAHAHA…”

É com essa risada sarcástica e irritante que tem início aquela que sem sombra de dúvida é uma das melhores faixas do álbum. Longe da velocidade das primeiras faixas, essa é até bastante cadenciada, porém soa agressiva, perigosa… A linha de baixo apresentada aqui é de calar a boca de qualquer crítico de Dave Ellefson. A cozinha completada por Nick Menza é responsável por boa parte da agressividade da música, a outra parte é o riff certeiro de Mustaine. Rasgante, assim como o grande Marty Friedman e seus solos bastante complexos. Estamos no ápice de Rust In Peace.

7 – Tornado Of Souls (Mustaine/Ellefson) (5:19) 5/5

E continuamos no ápice do álbum. Os riffs apresentados aqui são simplesmente matadores. Junte isso a um refrão fantástico e ao melhor solo do álbum (cortesia de Marty Friedman), e você tem uma das melhores faixas não só desse disco como também de toda a carreira de Mustaine e seus capangas. É por essas e outras que essa é considerada a melhor formação do Megadeth.

8 – Dawn Patrol (Mustaine/Ellefson) (1:51) 3/5

Uma curta faixa com apenas uma ótima linha de baixo e a bateria ao fundo. Mustaine “fala” a letra, dando um ar bem rapper à faixa. Por ter curta duração, poderia entrar como parte adicional em qualquer outra, tornando-a meio desnecessária.

9 – Rust In Peace… Polaris (Mustaine) (5:25) 5/5

Começa com a rápida e precisa bateria de Menza, e entram as guitarras quebrando tudo na faixa-título. Mustaine canta com raiva, e uma impressionante variedade de riffs é apresentada aqui, todos matadores. É difícil escolher a melhor do álbum.

10 – My Creation (Mustaine/Menza) (1:36) 4/5

A faixa mais sombria do álbum. Bastante curta, tem um riff bem interessante, assim como o andamento. Serve mais como um fechamento “formal” do álbum.

Média do álbum: 10/10

My friends all say

“Dave, you’re mental anyway”

Hey!!!

, , , , ,

  1. #1 por Mustainez em 13/09/2010 - 22:14

    Cara, muito bom o post. Vocês são muito bons mesmo, se voltarem a fazer algo sobre o Megadeth ou algo do gênero (Thrash, dãã) e precisarem de ajuda, deem um toque. Parabéns…

    Hail /,,/

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: