(1988) Iron Maiden – Seventh Son Of A Seventh Son


Seventh Son Of A Seventh Son é considerado o último álbum da fase clássica do Iron Maiden. O uso de sintetizadores e outros efeitos ainda foi bem usado, e porém com menos intensidade em relação ao álbum anterior (Somewhere In Time, 1986). O álbum é conceitual e conta a lenda de quem se o sétimo filho de um sétimo filho nascesse, teria poderes infinitos, para o bem ou para o mal. Nas letras do disco existem citações a várias obras de Aleister Crowley, ocultista inglês considerado o pai do satanismo moderno, e personagem da música “Mr. Crowley” de Ozzy Osbourne. Sem mais delongas, o álbum…

Melhor faixa: The Evil That Men Do

Pior faixa: Only The Good Die Young

1 – Moonchild (Smith/Dickinson) (5:39) 4/5

O álbum já começa com uma de suas melhores faixas. Apenas a introdução acústica e a voz de Bruce, seguidos pelas primeiras notas dos sintetizadores, e então a faixa explode em uma bela abertura, que fala sobre o nascimento do “sétimo filho do sétimo filho”. A voz de Bruce está bem melódica, sem abusar muito dos agudos por enquanto, com excessão de algumas notas mais altas no refrão. A clássica dupla de guitarras do Maiden soa precisa e entrosada como de costume. Ótima abertura.

2 – Infinite Dreams (Harris) (6:09) 5/5

Inicia com uma bela introdução com a dupla de guitarras, e vai ganhando potência aos poucos, dando espaço às notas mais altas de Bruce Dickinson. O riff seguinte, e a explosão da faixa com o clássico baixo cavalgado de Harris nos fazem lembrar imediatamente dos antecessores Powerslave (1984) e Somewhere In Time (1986). Aqui percebemos o Maiden abusando bastante das guitarras dobradas, uma das principais características da banda.

3 – Can I Play With Madness (Smith/Dickinson/Harris) (3:31) 5/5

Uma das faixas mais “felizes” do álbum. O destaque fica por conta do baixo “estalado” de Steve Harris, e de um refrão bastante grudento.  A base do solo, cheia de quebras de tempo também é um ponto alto da faixa, que é a mais curta do álbum, porém uma das mais conhecidas.

4 – The Evil That Men Do (Smith/Dickinson/Harris) (4:34) 5/5

Nessa faixa temos finalmente todo o poder de fogo do Iron Maiden. Baixo feroz, riffs geniais e Bruce Dickinson em sua melhor forma, cantando um dos refrões mais épicos do Maiden. Os solos são dignos de uma dupla de guitarristas como Adrian Smith e Dave Murray. Clássico e foda!

5 – Seventh Son Of A Seventh Son (Harris) (9:53) 3/5

Chegamos à long track do álbum. A faixa-título, assim como a maioria das long tracks do Maiden, é basicamente dividida em duas partes: antes e depois de uma parte lenta. Nesse caso, a primeira parte mantém o mesmo nível da faixa anterior, com um refrão poderoso. E então chegamos na parte lenta… e a música se torna cansativa. Temos uma ótima demonstração da qualidade dos músicos do Iron Maiden, que é indiscutível, mas a duração da faixa é exagerada, fazendo com que se torne cansativa, assim como muitas músicas do Maiden, principalmente à partir do álbum Brave New World (2000).

6 – The Prophecy (Murray/Harris) (5:05) 4/5

A única composição de Dave Murray nesse álbum tem, de fato, características diferentes do restante das músicas. Um andamento mais cadenciado e riffs menos elaborados, mas ainda muito bons. Ao final, uma passagem acústica que termina a faixa com grande beleza. Se Harris é o cérebro, Murray é a alma do Maiden.

7 – The Clairvoyant (Harris) (4:27) 5/5

Steve Harris é gênio. E se alguém ousa duvidar disso, eu recomendo a audição dessa faixa. A introdução com um ótimo dedilhado de baixo é seguida por uma tímida guitarra. A banda começa calma, até a explosão em um refrão fantástico e um riff matador. Falar da competência de Bruce Dickinson nos vocais é chover no molhado. O cara tem algo entre Dio e Rob Halford que é especial e bem particular, ao mesmo tempo em que lembra essas duas outras lendas do metal. Grande faixa.

8 – Only The Good Die Young (Harris/Dickinson) (4:41) 4/5

A última faixa tem a pegada do álbum anterior, com um pouco mais de velocidade nos riffs e solos. Se você leu até aqui, já deve ter percebido que esse é um álbum com ótimos refrões, e não seria diferente aqui. Fecha o álbum com competência, mas não possui nenhum diferencial. Ao final da faixa, temos mais uma vez a passagem acústica como no início de “Moonchild”, e acaba assim o último álbum dos chamados “Golden Years” do Maiden, que tentaria uma “volta às origens” no início dos anos 90, porém, sem sucesso.

Média do álbum: 8/10

Seven deadly sins
Seven ways to win
Seven holy paths to hell
And your trip begins

Seven downward slopes
Seven bloodied hopes
Seven are you burning fires,
Seven your desires…

Anúncios

, , , , , ,

  1. #1 por RAMIRES em 31/01/2012 - 16:11

    Cara, bom seu review. Mas seventh son cansativa??? Considero aquela parte do meio da música uma peça essencial de todo o álbum, além de ser absolutamente genial.
    Gosto é gosto…
    Abraço

  2. #2 por Igor Maxwel em 28/02/2016 - 20:02

    Um dos piores álbuns do Iron Maiden na minha opinião, prefiro mil vezes os anteriores (incluindo Powerslave e The Number of the Beast).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: